Ao criar O Baú da Literatura, o autor pretende obter uma página de registo dos pequenos trabalhos que vai redigindo e, eventualmente, de outros autores que despertem a sua atenção, no sentido de incentivar à leitura e à escrita. Atividades importantíssimas para o dia-a-dia, aliás, não só importantes, como também divertidas!

O blog é de leitura aberta, para que qualquer um possa aceder.

Para consultar os meus trabalhos, por favor repare na aba O QUE PODE VER?, do seu lado direito...




Pode também optar por enviar um email para obaudaliteratura@andrebiscaia.com.

Fico na expectativa de que goste dos conteúdos publicados aqui.



Com a mais elevada estima e consideração;


O Autor

Ajude-me! Faça uma doação!

Para suportar os custos de manutenção do blogue, a fim de que este possa continuar a oferecer conteúdos de qualidade, bem como para suportar os outros projetos que dirijo, vejo-me, necessariamente, forçado a apelar à boa vontade dos leitores, a quem peço um contributo.

Se gosta do conteúdo que pode ler aqui, por favor, não deixe de o fazer.


Os fundos recebidos têm, objetivamente, os seguintes destinos:


- Custear a manutenção do blogue, enquanto página online;

- Pagamento de custos editoriais futuros, em função de projetos literários a divulgar posteriormente;

- Outras finalidades relacionadas com projetos literários existentes ou a divulgar futuramente.


Desde já, muito obrigado aos que possam contribuir.

Sentimentos

#2
Boa tarde. Hoje deixo aqui o primeiro poema original que ficará no arquivo do blog.
Um trabalho recente e que considero, de entre o que há, um dos melhores que alguma vez fiz. Algo simples e musical, espero que seja do agrado de todos. Dêem uma espreitadela e deixem o vosso comentário.
Aguardem novos trabalhos. A este chamei-lhe «Sentimentos».

O Autor



Um amontoado de palavras que revelam emoção.
Aquelas que nos batem lá bem no coração.
E vêm e vão.

É isso a poesia, e é com essa inspiração

Que o poeta a transforma numa bela melancolia
De som e paixão, palavras de união,
Não diga que não.
E vêm e vão.

É a poesia o Amor, a Paz e Ardor.

Uma maré de sentimentos a todo o vapor,
Um conjunto de influências e de grandes vivências
Que se revelam, dor sem perdão,
E vêm e vão

É tudo aquilo que penso não ser,

E é também o que não sei descrever.
Uma panóplia de sentimentos irrevogáveis,
Um ajuntamento de regras invioláveis e desregradas
Que andam às chapadas e em contra-mão,
E vêm e vão.

Quer-se irregular mas subordinada,

Semblante que tudo diz, mas não diz nada.
E de repente morre afogada ou vive e é amada.
É todo um sim e todo um não.
E vêm e vão.

São os sentimentos de grande imaginação,

Ou talvez não.
Vivem sem viver. Doem sem doer.
Eles que de repente vão,
Não diga que não, mas já não voltam.
André Biscaia
29 de agosto de 2014


(Se gosta deste trabalho, faça o download aqui!)

Sem comentários: