Ao criar O Baú da Literatura, o autor pretende obter uma página de registo dos pequenos trabalhos que vai redigindo e, eventualmente, de outros autores que despertem a sua atenção, no sentido de incentivar à leitura e à escrita. Atividades importantíssimas para o dia-a-dia, aliás, não só importantes, como também divertidas!

O blog é de leitura aberta, para que qualquer um possa aceder.

Para consultar os meus trabalhos, por favor repare na aba O QUE PODE VER?, do seu lado direito...




Pode também optar por enviar um email para obaudaliteratura@andrebiscaia.com.

Fico na expectativa de que goste dos conteúdos publicados aqui.



Com a mais elevada estima e consideração;


O Autor

Ajude-me! Faça uma doação!

Para suportar os custos de manutenção do blogue, a fim de que este possa continuar a oferecer conteúdos de qualidade, bem como para suportar os outros projetos que dirijo, vejo-me, necessariamente, forçado a apelar à boa vontade dos leitores, a quem peço um contributo.

Se gosta do conteúdo que pode ler aqui, por favor, não deixe de o fazer.


Os fundos recebidos têm, objetivamente, os seguintes destinos:


- Custear a manutenção do blogue, enquanto página online;

- Pagamento de custos editoriais futuros, em função de projetos literários a divulgar posteriormente;

- Outras finalidades relacionadas com projetos literários existentes ou a divulgar futuramente.


Desde já, muito obrigado aos que possam contribuir.

Dona Solidão

#4
Boa noite. É agora a altura de vos deixar o terceiro trabalho para o arquivo do blog.
Se é ou não um bom trabalho, conto convosco para decidir mas, apesar de tudo, espero que vos agrade. Vão colocando os vossos comentários, aqui ou na página do facebook do blog.
Novo conteúdo para breve. Conheçam agora a «Dona Solidão».

O Autor



A solidão é a alegria de quem vive afastado.
É a dor de quem pensava ser feliz, e não vivia.
Talvez a tristeza de quem olha e só vê prado,
Ou da pessoa sorridente que não sorria.

É o amor, de quem o tem para dar,
E o desprezo de quem o não quer receber.
Vida de rico que não precisa de ir ao mar,
Mundo de pobre que não sabe o que comer.

Jamais tenho palavras para to dizer,
Ah, isso… não mais o irás saber!
O que intrinsecamente me vai na alma,
Deposito eu, à mercê da noite calma.

É triste, conhecer-te bem e ter a certeza,
Que o que na verdade queres é a beleza.
Não ligas aos assuntos do foro da emoção,
Ignoras-me a mim, que tanto te dei a mão.

Se do teu interesse for, eu estou cansado.
Te digo que não esperes de mim nada mais,
Deixaste-me de tal modo devastado,
Folgo hoje em partir de um novo cais.

Mil oportunidades, tantas foram as marés.
Muito tempo te dei para me mostrares quem és.
Dois mil sinais, já foram bem demais,
Se não entendeste, todas são então iguais.

Nunca te pude dizer que te amo
E não é por isso que to reclamo.
Garanto-te que não vou por ti chorar,
Pois se o fizesse não havia meio de parar

Pensava eu seres a mulher especial,
Levo comigo a minha eterna solidão,
Que me aprisiona tão perto, quase no chão,
Porque afinal tu és tão ou mais banal.




André Biscaia

10 de outubro de 2014

(Se gosta deste trabalho, faça o download aqui!)

Sem comentários: