Ao criar O Baú da Literatura, o autor pretende obter uma página de registo dos pequenos trabalhos que vai redigindo e, eventualmente, de outros autores que despertem a sua atenção, no sentido de incentivar à leitura e à escrita. Atividades importantíssimas para o dia-a-dia, aliás, não só importantes, como também divertidas!

O blog é de leitura aberta, para que qualquer um possa aceder.

Para consultar os meus trabalhos, por favor repare na aba O QUE PODE VER?, do seu lado direito...




Pode também optar por enviar um email para obaudaliteratura@andrebiscaia.com.

Fico na expectativa de que goste dos conteúdos publicados aqui.



Com a mais elevada estima e consideração;


O Autor

Ajude-me! Faça uma doação!

Para suportar os custos de manutenção do blogue, a fim de que este possa continuar a oferecer conteúdos de qualidade, bem como para suportar os outros projetos que dirijo, vejo-me, necessariamente, forçado a apelar à boa vontade dos leitores, a quem peço um contributo.

Se gosta do conteúdo que pode ler aqui, por favor, não deixe de o fazer.


Os fundos recebidos têm, objetivamente, os seguintes destinos:


- Custear a manutenção do blogue, enquanto página online;

- Pagamento de custos editoriais futuros, em função de projetos literários a divulgar posteriormente;

- Outras finalidades relacionadas com projetos literários existentes ou a divulgar futuramente.


Desde já, muito obrigado aos que possam contribuir.

Valor

#7
Este não merece comentários. Tem «Valor» por si mesmo!

O Autor

I
E de que te vale o valor,
Se não tens valor?
Depois de tudo o que fazes,
Só te resta o amor
Próprio!

II
Ou nem isso, talvez!
Uma mágoa que se refez.
Sentimento inquestionável,
A Mim, a Ti, a Nós Dois,
Porque Nada Há depois!

III
Não pense que sou egocêntrico.
Sou, aliás, pouco concêntrico.
Nada sei sobre valor,
Porque apesar de pouco valor,
O outro, então, não tenho nenhum!

IV
Sei que pareço Camões,
Mas não queiras comparar.
Já que, o que da comparação advém,
De facto, não o sabe ninguém!

V
Cada um é como é.
E todos mudam com a maré.
Bem sabes que não vale a pena tentar,
Nunca valeu, não vai dar.

VI
É nos momentos de depressão,
Que surgem estes tempos,
De reflexão.

VII
Apesar de tudo,
Escrevo alheio ao pensamento e à razão.
Guiado sempre pela emoção
De me questionar sobre o inquestionável valor
Do coração!

VIII
É difícil perceber no que isto vai dar.
Nada sei, sobre o rumo que vai tomar.
Aonde isto vai parar?
Ou do valor que vai ter,
Irá alguém perceber?

IX
O valor de algo jamais se sabe,
Até ao dia em que alguém abre
O que escrevemos,
E interpreta tudo aquilo
Que dizemos!

X
Gosto de criar, imaginar,
Na minha mente divagar.
Sem sequer me esclarecer, primeiro,
De tudo o que fica de premeio.

XI
Sabes?
Tu bem me ajudas a valorizar
Tudo aquilo em que me custa acreditar.
Porque me entendes, me ouves com atenção,
E não me dás desilusão.

XII
Obrigado por isso e por muito mais,
Pelo valor intrínseco das tais
Escutas que me fazes valorizar,
E de ti tanto gostar.

XIII
Poesia,
És tu que me dás esta alegria
Atiças a vontade de desabafar,
Sem para o outro olhar.

XIV
Por isso, tens valor,
E mesmo que pouco,
É mais que o meu,
Que além daquele outro,
Não há nenhum!

XV
Só agora me chegou ao entendimento,
A razão dos outros –
Do outro Camões,
E dos outros “Pessoas” –
Só neste momento.

XVI
Se quiseres perceber, também,
Embora não por mim, claramente,
Deves ficar refém da tua mente,
Fica ciente!

XVII
E se esta poesia já não faz sentido,
Então cumpriu a singela função,
De me aliviar o coração,
Como havia prometido.



André Biscaia

24 de maio de 2016

(Se gosta deste trabalho, faça o download aqui!)

Sem comentários: